quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Passageiro

A rotina vagante
e a energia
cadente
são de mim, por mim;
são daquilo que me é
inerente.
Solidão
é coisa de
uma nota só;
seu dissabor
é

e
Dó.
Os lábaros balançam
e saboreiam
o vento, enquanto
minha cidade
uiva
num só lamento.
Os ternos dizem
quem os homens são;
os homens ternos
morrem
sempre em vão.
Não negastes minha mão
à estrada,
então nela
busco
saída.
Sigo sempre a notívaga
caminhada,
derramando pouco a pouco
minha
vida.


Fabiano Martins

10 comentários:

  1. "Os ternos dizem
    quem os homens são;
    os homens ternos
    morrem
    sempre em vão."

    ---> Por versos como esse que eu não me canso de passar por aqui. Poeta terno, peregrino, passageiro - finca raízes que duram no coração.

    ResponderExcluir
  2. Fez-me lembrar "On the road" do Kerouac.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Ziza,
    Obrigado!


    Mima,
    Sempre muito motivadores seus comentários.
    Obrigado pelas constantes visitas! bjs


    Marcell,
    Estou relendo esse livro. Kerouac é um dos meus autores preferidos. Fico lisonjeado com o comentário.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Rodrigo. Seja bem-vindo ao blog!
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Olá Famartan,

    Quanta sensibilidade e bom gosto!
    Gosto de estar com você.

    Beijos de luz.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Luz.
    Obrigado pelo comentário.
    Também gosto de te ver aqui.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Primeira vez que entrei.
    Gostei particularmente deste.
    Parabéns.
    Vou voltar.

    ResponderExcluir
  8. MiM,
    Obrigado e seja bem vindo!
    Abraço

    ResponderExcluir