sábado, 15 de outubro de 2011

Cogito - Torquato Neto

Eu sou como eu sou
pronome
pessoal intransferível
do homem que iniciei
na medida do impossível

eu sou como eu sou
agora
sem grandes segredos dantes
sem novos secretos dentes
nesta hora

eu sou como eu sou
presente
desferrolhado indecente
feito um pedaço de mim

eu sou como eu sou
vidente
e vivo tranqüilamente
todas as horas do fim.


Torquato Neto

8 comentários:

  1. Eu, é um pronome que ao longo dos séculos tem causado tantos tratados e teses de doutorado. Nas psicanálise, Freud, na literatura, Augusto dos Anjos, na filosofia, Kierkegaard e, por aí, vai. Um abraço Famatan.

    ResponderExcluir
  2. Marcel,
    Adoro esse poema.
    Abraço

    Maxwell,
    Esse tema vale muitas reflexões.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. parei aleatoriamente por tuas palavras.
    olhei sorrindo e gostei das formas que elas fizeram meus pensamentos.

    boa noite,moço.

    ResponderExcluir
  4. Eu sou bicho,
    eu sou gente,
    ser indefinido...
    perguntando-se sempre
    Quem sou eu???

    Adorei o poema!!
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Laísa,
    Obrigado pelas palavras. Seja bem-vinda ao blog.
    Abraço

    Sandra,
    Esse poema é um dos meus preferidos.
    Obrigado pela visita.
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. "desferrolhado indecente"!

    Muito bom!

    Parabéns ao Torquato!

    Beijo, Fabiano!
    Mima.

    ResponderExcluir
  7. Concordo! Esse poema é uma ode à liberdade de pensamento.
    bjs

    ResponderExcluir