segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Vontade e potência

Por horas a fio
pensei.
Não havia nada
nem
ninguém.
Por horas a fio
atestei
a vontade que se recosta
à parede em alarde
ou
em ninguém.

Estou só.
Estou caído, sem resposta;
com tantos versos embebidos
em tanta prosa.

Estou aqui e estou lá,
sempre querendo
estar.
Não sou, pois não posso
ser
nada além do que
a vida
deixar.

A política tornou os
homens mais medíocres,
donos da verdade.
Sufocou
a verdadeira potência,
entre os gritos da sociabilidade.
Tudo agora diz respeito
a ter uma incrível honorabilidade,
que só é merecedor
quem obedece os estatutos
até trespassar a última
idade.


Fabiano Martins

18 comentários:

  1. Homens manipuláveis, triste século (a muitos na verdade)!

    Ai de nós que não suportamos o tamanho do corpo para nossa essência; é sempre esta sensação louca de querer pular de dentro pra fora. Um fora que é dentro de nós mesmos.

    ResponderExcluir
  2. Lucass,
    O original é sufocado em prol do lugar-comum.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. ''Não sou, pois não posso
    ser
    nada além do que
    a vida
    deixar.''

    me encanta.

    ResponderExcluir
  4. Larissa, obrigado.
    Acredito que muitas pessoas têm o seu talento desperdiçado por algumas fatalidades da vida.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Nesse mundo perdido, muitas vezes penso que melhor mesmo é estar só.

    ResponderExcluir
  6. parabéns ... maravilhoso !!
    Já te seguindo.
    Bjo***

    ResponderExcluir
  7. Estou aqui e estou lá,
    sempre querendo
    estar.
    Não sou, pois não posso
    ser
    nada além do que
    a vida
    deixar.

    Parece que conheço bem esse desassossego...

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, Parole. Há qualquer coisa no que diz que reconheço também. bjs

    ResponderExcluir
  9. A política não só torna as pessoas medíocres, caro amigo poeta! Ela faz o que é ainda pior. Rla os revela!

    Bom poema!

    Abraços fraternos!

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pela bela poesia. Sou admirador da verdadeira arte. E sem reconhecer quando a vejo... Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Marcell,
    Tudo foi deturpado por eles.
    Abraço

    Carina,
    Obrigado!

    Maxwell,
    Obrigado pela visita.
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Boa noite, Fabiano!

    Diante da complexidade dos fatos alguns se calam, outros se lamentam e tantos outros escrevem. Aqui, a palavra como instrumento de indignação diante de uma realidade desconcertante.


    Um grande abraço e que você tenha uma noite de paz

    Deus seja contigo

    ResponderExcluir
  13. Wilson,
    Obrigado por passar um pouco do teu tempo aqui.
    É sempre importante refletir sobre os atos que temos.
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Se achar dona da verdade: eis o mal da humanidade... Ótimas reflexões, poeta!

    ResponderExcluir
  15. Sim! Obrigado, Macabea de La Macha.

    ResponderExcluir