terça-feira, 11 de outubro de 2011

Percepção

Parece alguma coisa escrita
esta visão atípica
da tua mão repousada calma
e fria sobre a minha.
Parece um romance que li,
ou uma foto que vi,
ou qualquer coisa artística.

Teu corpo mudo e sem vida é carne e osso,
simplesmente.
Assim, vejo que as pessoas são finitas,
e que eu também caminho
para daqui estar ausente.

Digo adeus
como quem diz até logo,
e me despeço com a morosidade
de quem não sabe
ao que prestar.
Vejo-me feito, não de saudade e nem
de matéria,
mas de uma energia etérea,
menos de guerra
e mais de amar.


Fabiano Martins.

12 comentários:

  1. Ah, essa percepção, tão difícil encará-la com serecnidade apesar de ser nossa única certeza!Forte teu texto!
    Ótimo feriado.

    ResponderExcluir
  2. Angela,
    Obrigado pela visita! Sim, a serenidade é fundamental nessa vida.

    ...,
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Melancólico e existencial, levemente romântico e de um lirismo forte e discreto. Belíssimo poema, parabéns!

    Wesley

    ResponderExcluir
  4. Wesley,
    Obrigado por ter lido.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Belo poema!!
    Suave e forte ao mesmo tempo...
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Procuro sempre esta serenidade ao olhar a finitude em tudo em que vivemos. Seu poema é perfeito para o momento que estou vivendo...Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Caroll,
    Obrigado!
    Abraço

    Sandra,
    Fico feliz por isso.
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. belo post! obrigada pela visita em meu blog, tbm te seguindo! abraços

    ResponderExcluir
  9. 'menos de guerra
    mais de amar.'

    Isso é tão vc..

    Estava com saudades de passear por aqui.

    Abraços,
    Mima.

    ResponderExcluir
  10. Mima,
    Que bom te ver aqui de novo!
    bjs

    ResponderExcluir