quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Recortes

Tenho um olhar menino
capaz de causar
grandes paixões.
Tenho mãos à obra.
Tenho olhos endurecidos
por qualquer coisa infame
que tenha
visto.
Tenho dor que se completa
com a dor alheia.
Tenho a chuva a desdenhar
dos meus findos anos.
Tenho a graça
que se pôs a voar
ao longo do tempo.
Tenho cimento
sobre mim... e agora?


Fabiano Martins

13 comentários:

  1. Tens versos a cantar
    e o dom de superar
    o cimento sobre si.

    E agora? Mãos à obra,
    afinal, é o que tens...

    ...é o que dizes.
    Então re(cite)!


    Belos recortes. Ouse!
    Bisous, chère. Au revoir ;)

    ResponderExcluir
  2. Tens o dom das palavras e cimento algum vai impedir de expressá-las. :)
    Sempre me satisfaço quando visito este blog.

    ResponderExcluir
  3. Natália,
    Adorei os versos! (Re)citarei!
    bjs

    Lucas,
    Obrigado!

    Mariana,
    Obrigado pela visita e pelo comentário!

    ResponderExcluir
  4. Fabiano, tenho comigo que aquele que consegue enchergar e sentir a dor alheia jamais estará endurecido... e vejo o cimento como um congelamento diante do que não conseguimos alterar. Profunda reflexão/poema!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Sandra,
    Obrigado por embarcar nessa reflexão.
    Abraço

    Marcell,
    Obrigado, irmão! Sua postagem do Abujamra foi sensacional.
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Obrigada por me seguir! Adorei o texto!

    Beeeijos, e volte sempre1

    ResponderExcluir
  7. Ops! "enxergar" desculpe a falha ortográfica!

    ResponderExcluir
  8. el cemento no podra calalr tus palabras....un abrazo

    ResponderExcluir
  9. Lapislazuli,
    As palavras ficarão.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. OI FARMATAN!
    OBRIGADA POR ME SEGUIR.

    LINDOS VERSOS,DITADOS POR UMA ALMA POÉTICA, QUE, TÃO BEM, SABE, ENTRELAÇAR AS PALAVRAS, CONSTRUINDO UMA IDÉIA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Zilani e Marcelle,
    Sejam bem-vindas!

    ResponderExcluir